Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Luciano Pavarotti

Membros
  • Total de itens

    116
  • Registrou-se em

  • Última visita

Tudo que Luciano Pavarotti postou

  1. Fala, pessoal, blz? Estou tentando passar as senhas do 1Password pro Apple Keychain, mas, quando esse último lê o arquivo CSV que o 1Password criou, diz "Keychain importou 0 password". Não importa nada. Também estou tendo problema quanto tento transferir do 1Password pro Dashlane. No site do Dashlane, quando tento importar o CSV do 1Password, diz que é incompatível. Alguém já conseguiu fazer essas transferências?
  2. Essa eu não conhecia! Entrei aqui e tem registros de acessos a redes wi-fi 3 anos atrás! E mesmo os acessos que foram feitos com o iPhone constam aqui nos registros no Mac. Mas o que seria o "date modified"? As datas que constam nessa coluna não estão corretas. Por exemplo: estive em um hotel em julho/2019 e usei o wi-fi. Mas aqui no registro desse acesso consta como "date modified" 10/12/2019, quando eu nem no país do hotel estava mais.
  3. Bom dia, pessoal. Estou com meu primeiro Mac M1 há alguns dias e surgiu uma dúvida: o pendrive bootável que foi criado no meu Mac antigo (Intel) vai continuar servindo pra formatar esse novo Mac M1? Se não, o procedimento para criar um pendrive bootável no Mac M1 é o mesmo dos Macs Intel ou tem alguma diferença?
  4. Comecei a usar gerenciador de senha há 1 semana, com o 1Password (que me ofereceu 3 meses gratuitos). Estou gostando bastante. Mas, como eu não consigo ficar quieto e gosto de testar mais de uma opção, também testei o LastPass o Bitwarden, mas não gostei da interface deles. Agora estou tentando testar o Dashlane, mas está dando problema na hora de importar o CSV do 1Password. Mas pelo pouco que vi até agora, o Dashlane parece ser muito bom também. Vou ver se testo aqui o Roboform também.
  5. Vou citar só a última frase, porque só me resta agradecer pela sua boa vontade em compartilhar seu conhecimento aqui com a gente. Estou até desconfiando que você é o Leonardo do Mind The Headphone...hehehe Acho fantástico a pessoa ter isso como paixão e por isso acumular tanto conhecimento técnico. Mas vejo agora que minha praia é simplesmente curtir as músicas na melhor qualidade possível. Não vou mais ficar me preocupando tanto com aspectos técnicos. Acho que vou comprar um fone qualquer sem fio mesmo e está ótimo. rsrs Grande abraço e obrigado novamente!
  6. Sim, creio que você está certo. Eu também já pensei em passar tudo pro iCloud (contatos, calendário, email etc.), justamente para resolver essas inconsistências, mas ainda não fiz. Continuo usando os serviços do Google, por achá-los mais universais, fáceis de usar e configurar em qualquer lugar (talvez seja apenas um medo bobo meu). Mas suas contribuições aqui no tópico foram muito boas. Obrigado!
  7. Sim, foi isso que eu quis dizer quando mencionei que ele está puxando de dois lugares ao mesmo tempo. Porque, no fim das contas, é isso que ele está fazendo mesmo (apesar de não saber que alguns dos eventos que está puxando do Google Agenda são os mesmos aniversários que ele também puxa do app Contatos do Mac). O fato inegável é que existe um problema de inconsistência nessa sincronização, que, pra ser resolvido, talvez precise que Apple e Google cheguem juntos a um consenso.
  8. Sua explicação faz todo sentido e revela, na minha opinião, uma falha inaceitável do app Calendário do macOS, que precisa ser corrigida urgentemente. Não faz o menor sentido ele puxar os aniversários tanto do app Contatos quanto diretamente do Google Agenda, quando se trata dos mesmos contatos. É isso então que está gerando a duplicidade de aniversários. Deveria haver, então, controles separados pra gente poder decidir quais aniversários ele deve puxar do app contatos e quais deve puxar diretamente da agenda. Isso evitaria esse problema. Eu fui olhar aqui e percebi algo que não havia notado antes: o contato Ney Carvalho, por algum motivo, está sem aniversário no Contatos do Mac, apesar de no Google Contatos (de onde ele é puxado) ter o aniversário dele. É por isso então que o aniversário desse contato específico não fica duplicado. A Cristiane Uniceub, por outro lado, teve seu aniversário sincronizado normalmente pelo app Contatos, que o joga no Calendário juntamente com o Google Agenda, resultando na duplicidade. Acho que agora ficou esclarecida a origem do problema. E meu Deus...que coisa mais amadora... Eles precisam dar um jeito nisso urgentemente.
  9. Bom dia. Desmarque a caixa "Show birthdays calendar" que mostro na imagem 4 e isso resolverá o problema. Porém, me parece que nunca vamos conhecer a raiz desse problema. rs
  10. Ah, entendi. Interessante saber que o Tidal oferece isso e o Apple Music ainda não. Obrigado.
  11. Fala, Amigos. Obrigado pela excelente resposta! Eu não vi as discussões nos posts do MacMagazine não. Vou dar uma procurada. Fui dar uma olhada e o audio do meu Spotify estava realmente configurado em "normal". Mudei pra "loud" e agora é o Apple Music que ficou mais baixo. rs. Quando faço teste agora, tenho que aumentar o volume quando vou pro Apple Music. Não sei como ter certeza de que ambos estão com o mesmo volume. Não achei nada disso no Apple Music. Mas me diga uma coisa: percebi que essa sua dica quanto ao volume também é abordada em vários textos ou vídeos sobre o assunto. Quando você aborda essa questão, posso concluir que você considera que não há diferença alguma entre o audio do Spotify e o do Apple Music? Como eu mencionei antes, sempre achei o Apple Music melhor, mas confesso que agora, depois de ajustar o volume do Spotify, foi mais difícil notar diferença entre eles. Porém, eu continuo achando o som do Spotify mais "fechado", abafado (é a forma que eu consigo descrever), enquanto o do Apple Music me parece mais "aberto", cristalino. Qual a sua opinião sobre isso? A justificativa que vários youtubers de tecnologia deram para a obrigatoriedade de um DAC não é a capacidade das versões integradas nos smartphones, tablets etc. Eles na verdade dizem é que o audio que sai desses dispositivos é digital e precisa ser convertido para analógico antes de chegar a fones de ouvido cabeados como os da Sennheiser, AKG, Beyerdynamic etc. Tomei isso como uma verdade absoluta, pois todos os youtubers que vi, brasileiros e gringos, dizem isso. Então não é necessária essa conversão? Eu agora sinto que voltei à estaca zero. Não sei mais nada. rsrs Mais uma vez você me fez voltar à estaca zero, pois todos os vídeos que vi afirmam que o conector lightning/P2 da Apple não pode ser usado para audio lossless, por algum motivo que agora não me lembro mais (não sei se é porque, na alegação deles, esse conector não é capaz de transmitir o sinal na "largura de banda" - acho que é essa expressão que eles usam - do lossless ou se há algum tipo de conversão indesejada de sinal nesse conector). Esses youtubers estão falando m#[email protected] então? Eu só sei, Amigos, que não sei de mais nada. Tudo que eu achava que tinha aprendido depois de ver dezenas de vídeos no Youtube foi por água abaixo agora. Estou mais perdido do que cego em tiroteio. haha Afinal, eu invisto em um DAC portátil (como o Dragonfly) e um fone cabeado (como Sennheiser, AKG, Beyerdynamic etc.) ou compro um AirPods Max e ouço via bluetooth mesmo?
  12. Obrigado pela resposta! O que seria esse acesso exclusivo ao DAC?
  13. Vixe...só depois de ter escrito isso acima é que li os excelentes comentários do "Amigos", que me desmente completamente. Ele parece ser bastante conhecedor do assunto, então já não sei mais nada. rs
  14. O conector lightning/P2 da Apple não serve, não transmite lossless. O pessoal está usando o conector lightning/USB-A, depois um DAC e aí sim conecta o fone. Não sei se há outra alternativa.
  15. Entendi. Vou considerar isso nos meus testes. Obrigado!
  16. Fala, Chico. Blz? Ok, é a sua opinião e eu respeito, mas então o que mantém as pessoas na audiofilia (como você, que está nela há 5 anos), se não faz diferença alguma?
  17. Eu também não tenho condição alguma de discutir esse assunto. Sou completamente leigo e tudo que escrevi acima é baseado apenas nas informações que consumi nos últimos dias. Antes de a Apple lançar o lossless, eu sequer sabia o que é um DAC. Acho que é questão de tempo (espero que pouco) para a Bluetooth.com (a empresa responsável pelo padrão bluetooth) atualizar a tecnologia para que tenha uma largura de banda suficiente pra transmitir lossless. Caso não faça isso, certamente a Apple criará ela mesma uma solução (talvez usando o Airplay - não sei se é possível, é só uma suposição). Mas eu não vou esperar não. Vou fazer os testes com o que temos hoje e depois coloco aqui minhas conclusões sim. Abraço.
  18. Opa, tranquilo? Valeu pela dica, mas eu já conheço o canal dele. Ele é realmente fera! No Brasil não conheço alguém que entenda mais de audio. Eu fiz o teste cego que ele propõe em um de seus vídeos e, das 20 músicas (que temos que tentar distinguir qual é mp3 e qual é lossless), acertei 15. Eu não acho que tenho ouvidos especiais e também não acho que os audiófilos os tenham (talvez alguns sim, mas não todos), então formei uma convicção de que o audio lossless é sim perceptível e que isso é uma questão de equipamento. Eu sempre achei o audio do Apple Music bem superior ao do Spotify, mesmo tendo, grosso modo, a mesma taxa de compressão. Com lossless então imagino que fique ainda melhor. E tenho assistido a dezenas de vídeos do Leo (do Mind The Headphone) e de vários canais gringos. Tem alguns pontos em que todos são unânimes: - Não é possível ouvir audio lossless (ao menos ainda) em nenhum fone da Apple, pois bluetooth não tem largura de banda suficiente para transmitir e, mesmo quando cabeado (no caso dos AirPods Max), tem alguma coisa que faz com que não transmita em lossless (agora não me lembro o que é). - Pra ter a experiência do lossless, você precisa de um fone bom, cabeado e ligado e um DAC/amplificador. - Até com a qualidade dos cabos e conectores você precisa se preocupar (o conector lightening/P2 da Apple, por exemplo, não transmite lossless e, portanto, não pode ser usado), senão você não estará ouvindo lossless. Eu não estou aqui defendendo minha opinião não. Quero deixar isso bem claro. Trata-se apenas de uma convicção, baseada no que vi e li, além da minha própria percepção auditiva (tanto no teste cego quanto na diferença entre o Apple Music e o Spotify). Pode ser que eu compre um bom fone Sennheiser, AKG ou Beyerdynamic, ligue em um DAC e, no final das contas, prefira o som dos AirPods Max (que também quero testar). Mas, a essa altura do campeonato, eu não poderia deixar de testar também uma opção que seja lossless. Eu não me daria por satisfeito, pois sou muito investigador, curioso. Tenho que testar eu mesmo pra ouvir com meus próprios ouvidos (rs) se vou sentir diferença ou não.
  19. Conforme o texto inicial desse tópico, desde que lançaram o Spatial Audio, eu achei uma porcaria (som abafado, baixo e sem nitidez). Ontem porém, depois de um bom vinho e relaxado no sofá, eu fui testar novamente (ouvindo Rush) e meus ouvidos enfim conseguiram captar a espacialidade do Dolby Atmos, então eu percebi que aquilo que à primeira vista parecia um som abafado é, na verdade, uma espacialização das várias frequências (cada instrumento fica numa distância diferente, por isso alguns ficam realmente mais baixos do que na versão stereo da música). E foi fantástica a experiência ontem! Agora eu estou impressionado e adorando o recurso, realmente enxergando como algo revolucionário. Acredito que ele tenha um caminho de evolução pela frente, principalmente por parte dos studios e suas masterizações. Se com meros AirPods Pro eu já estou gostando, agora estou curioso pra ver como vai ficar nos AirPods Max e também em um Sennheiser open back ligado a um DAC (coisas que pretendo adquirir em breve). Resumindo, acho que o Spatial Audio é um recurso que demanda um tempo de adaptação dos nossos ouvidos. É como experimentar comida japonesa. Na primeira vez você acha uma m3rda, mas depois apura o paladar e passa a adorar. rs. Agora, quando volto pro stereo é que acho super estranho. A música fica chapada e dá uma sensação de que as frequências estão todas misturadas, bagunçadas. Olha...eu acho que esse negócio realmente vai mudar a forma como ouvidos música, viu?
  20. Bom dia, pessoal. Vocês perceberam que estamos vivendo um momento de grande sacudida no mercado da música? Já existiam serviços que ofereciam audio de alta resolução (lossless), mas era reservado a um nicho específico de usuários (os audiófilos). Porém, a partir do momento em que os gigantes Apple Music e Spotify, que são os serviços usados pela esmagadora maioria, anunciaram o recurso, tudo mudou. Houve um reboliço no mercado e agora só o que vemos são youtubers falando sobre fones de ouvido específicos para audio lossless, DAC (digital to analog converter), amplificadores etc. e usuários comuns se interessando por esse mundo da audiofilia. Eu mesmo sou um deles. Antes eu estava decidido a comprar os Airpods Max, mas, com a chegada do lossless, mudei totalmente de ideia (já que esses fones não são compatíveis com esse recurso) e agora estou pensando seriamente em comprar uns fones legais, tipo o HD600 da Sennheiser e um DAC, pra poder aproveitar 100% o lossless. Mas será que vou gostar da experiência? Será que audiofilia e audio lossless são pra todo mundo? Será que vou gastar dinheiro à toa? Tenho visto dezenas de vídeos e me parece que esses fones específicos têm menos grave do que nós da grande massa estamos acostumados (pois o som puro realmente não tem tanto grave). Aí eu já fico com receio de achar o som lossless fraco e não me acostumar. E outra: esses equipamentos mais sofisticados e puristas parecem exigir uma maior equalização manual por parte do usuário, né? Então como é a rotina musical de um audiófilo? A cada faixa que se inicia ele precisa reajustar todos aqueles controles de equalização, pra chegar ao melhor som? Imagine uma playlist que envolve gêneros musicais diferentes...é preciso mudar a equalização toda hora? Se for, talvez seja melhor eu comprar os AirPods Max mesmo e ser feliz, pois, no fim das contas, eu quero é curtir as músicas, não ficar ajustando equalização o tempo todo, em busca do audio perfeito (nada contra quem gosta, mas apenas acho que pode não ser minha praia). Eu quero ter um audio o mais próximo possível da perfeição, obviamente, mas não quero ter de ficar configurando equipamento o tempo todo para isso. Qual a opinião de vocês? Algum audiófilo aqui poderia nos dar alguns conselhos quanto a isso? Desde já quero demonstrar minha gratidão por qualquer ajuda.
  21. Assinei o Apple Music ontem e o Dolby Atmos não está funcionando aqui pra mim. Quando ligo o recurso, a música fica muito pior (abafada, baixa e sem detalhes) do que em stereo. Até desliguei o recurso e estou ouvindo música stereo mesmo. Fiz o teste com inúmeras músicas, todas com selo Dolby Atmos / Spacial Audio. Alguém mais com esse problema? Equipamentos usados: iPhone X já com iOS 14.7 AirPods Pro
  22. Concordo com tudo o que disseram acima. Acho sensacionais os fones. Mas estou passando por problemas técnicos aqui que têm me arrancado inflamados palavrões nos últimos dias. Tive os AirPods Pro trocados pela Apple dias atrás, pois os anteriores estavam com aquele problema de pequenos estalos durante uma atividade física. Portanto, estou com fones novinhos aqui. Ontem voltei a assinar o Apple Music, pra poder usar o Dolby Atmos. Não sei porque cargas d'água, mas o recurso não está funcionando aqui pra mim. Quando ligo, a música fica uma titica, abafada e baixa, como se tivesse passado pra mono. E são músicas compatíveis com o recurso. Estou usando com ele desligado, portanto. Além disso, de vez em quando o fone está perdendo conexão com o iPhone (às vezes acontece do nada, às vezes porque chegou alguma notificação no iMac, onde o fone também fica conectado). Por falar nessa conexão mútua com mais de um dispositivo, pra mim nunca funcionou bem. Quando dou play em alguma coisa no iPhone, o fone começa a reproduzir imediatamente. Mas o contrário não acontece. Se eu der play em algo no iMac, sou obrigado a clicar no botão de som e mudar para os AirPods. Como disse inicialmente, sei que é um problema pontual meu, pois só vejo as pessoas elogiando o fone. Eu também adoro o fone, mas achei que seria válido descrever esses meus problemas aqui, pois alguém pode vir a tê-los também. De toda forma, acho que vou criar um tópico separado pra abordar apenas a questão do Dolby Atmos. Tem um outro detalhe sobre os AirPods Pro que merece muito ser mencionado aqui: causar dor nas orelhas. Já sofri bastante com isso, mas aí descobri a forma correta (acho que cada orelha tem uma forma diferente) de posicioná-los. Pra mim o melhor é colocar as hastes voltadas pra baixo, como na foto que coloco anexa aqui (que eu mesmo criei). Depois que passei a fazer isso, raras vezes sinto incômodo. Muita gente reclama que eles caem da orelha e é verdade; às vezes eles começam a afrouxar e você tem que dar uma ajeitada, senão podem cair mesmo. Equipamentos: iPhone X já com iOS 14.7 iMac 2017 Fusion Drive (não vejo a hora de passar pra um M1) AirPods Pro novos
  23. Fiz inúmeros. Assinei os dois por algum tempo, coloquei o Spotify na qualidade máxima de audio e ouvi centenas de trechos de músicas em um e no outro alternadamente, para comparar. Pra mim, pros meus ouvidos, a superioridade sonora do Apple Music é inegável.
  24. Estou testando o Tidal aqui há alguns dias (eles me ofereceram 2 meses por uma pechincha) e estou achando melhor que o Spotify, tanto em termos de organização quanto sugestões e informações sobre as músicas e albuns. Não gosto da organização da página inicial do Spotify e raramente encontro, nas sugestões que ele me dá, algo que me agrade. Já no Tidal eu tenho ouvido os "mix" sugeridos e gostado muito. Quanto à qualidade de audio, é covardia comparar, já que o Spotify ainda não tem a opção de loss-less. Mas eu só tenho uma pergunta quanto a esse tema: é normal a gente sentir falta de graves quando passa pra qualidade loss-less? Eu estou até agora procurando aqui onde o Tidal coloca os graves das músicas. Alguém sabe? rsrs
×
×
  • Criar Novo...