Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Desligar o MacBook todas as vezes que terminar de usar, será mesmo uma boa ideia?


Visitante

Posts Recomendados

1 hora atrás, Stow disse:

É igual carro (e quase o mesmo valor, kkkk): vc vai decidir se vai comprar e usar o potencial dele (correndo alguns riscos); ou se vai lavar todo dia, andar em baixa rotação, usar gasolina aditivada, etc. 

Riscos existem ligando/desligando ou deixando ligado ou ainda repousando. Então só curte teu equipamento e toma os cuidados que lhe serão mais caros (evitar líquidos, quedas, etc).

E você tem razão! Eu só lamento que as pessoas subestimem a durabilidade dos MacBooks; acho que por conta do preço altíssimo em que eles são vendidos aqui no Brasil, as pessoas os consideram algo extremamente frágil e que vai parar de funcionar por qualquer motivo. Eu uso atualmente dois MBP - um é do meu trabalho, e o outro é meu, de uso pessoal (um MBP 2020-M1) - e ambos eu raramente desligo; o do meu trabalho é um MBP ano 2017 (está comigo desde 2019), que funciona de segunda a sexta, das 8h às 18h, e só é desligado quando é necessário instalar alguma atualização, ou quando eu estou de férias; fora isso, ele esta sempre em repouso. Para quem quer acreditar que hibernar ao invés de desligar vai encurtar a vida útil do notebook, ele está funcionando até hoje, e nunca precisou passar por manutenção. Como você disse, cada um sabe o melhor jeito de desfrutar as suas coisas, e eu gosto de desfrutar até o talo! 😂😂😂

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

1 hora atrás, Stow disse:

É igual carro (e quase o mesmo valor, kkkk): vc vai decidir se vai comprar e usar o potencial dele (correndo alguns riscos); ou se vai lavar todo dia, andar em baixa rotação, usar gasolina aditivada, etc. 

Riscos existem ligando/desligando ou deixando ligado ou ainda repousando. Então só curte teu equipamento e toma os cuidados que lhe serão mais caros (evitar líquidos, quedas, etc).

IMG_20210610_102940810 (1).jpgAlways on Baby!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Em 05/06/2021 at 21:23, Joe disse:

Olá!

Eu gostaria de saber se vocês sempre desligam os seus laptops todas as vezes que terminam de usar, ou se assim como eu — no meu caso, por preguiça de estar sempre ligando e desligando — deixam apenas em repouso,

para a próxima vez que for usá-lo, ele estar sempre pronto; eu vi alguns vídeos gringos, onde os caras apoiam o meu ponto de vista, de que o melhor é apenas deixar o computador sempre em repouso, e apenas desligar quando não for usa-lo pelas próximas 36h.

 

Links: 

1 - 

 

 

2- 

 

 

3 - https://www.macworld.co.uk/how-to/shut-down-mac-every-night-3799753/

4 - https://eshop.macsales.com/blog/47473-tech-tip-should-you-shut-down-your-mac-or-let-it-sleep/

Captura de Tela 2021-06-05 às 21.23.14.png

 

 

Opa, tudo bem?

Como já discutido em diversos tópicos, a bateria do Mac precisa estar constantemente trabalhando, mesmo que de forma mínima, pra que sua durabilidade alcance o máximo esperado.

Me baseando nessa informação, sempre que eu encerro um dia ou simplesmente não vou usar o Mac por algumas horas, abaixo a tampa e ele fica ali hibernando. Quando saio de casa tenho sempre o cuidado de tirar da tomada por conta de raios, quedas de energia ou somente falhas na rede, pois isso sim pode causar um belo dano. De noite faço a mesma coisa. Assim, ele tá sempre "trabalhando", e no tempo que estou na frente dele estará carregando.

Apenas uma vez por semana desligo ele, faço uma limpeza básica com água e microfibra na carcaça e religo, deixando-o novamente suspenso.

Abraço!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

A regra é simples: se você vai usar o computador todo dia, não há mal algum em manter ele "dormindo" apenas, fechando a tela ou colocando em modo repouso. Computadores (não só os da Apple) foram projetados para funcionar assim. Dependendo da utilização essas máquinas podem passar anos ligadas direto sem problema algum.

Se o sistema se deteriora com o tempo, é porque o sistema é ruim e a gestão de recursos dele falhou. É lógico que tudo pode falhar, mas o objetivo dos projetos de hardware e software é não falhar. E quando falha, na gigantesca maioria dos casos um RQR (reinicia que resolve) se aplica.

O maior "desgaste" dos componentes é exatamente no momento em que eles são "energizados". É quando por eles surge diferença de potencial por aplicação de tensão elétrica. É quando eles saem do estado frio para o estado quente, ocorrendo dilatação de materiais. Coisas que esfriam e esquentam dilatam e retraem e mesmo que em escala muito pequena (lá nos micrômetros ou nanômetros), vai causando soldas frias ou até mesmo rompimento de componentes. É tipo "carro de estrada" e "carro de cidade": carros usados em estrada, em velocidade e rotação constantes, mesmo com altas quilometragens, em geral ficam em melhor estado de conservação e tem maior longevidade do que carros usados em cidade, no para e anda, rotação sobe e desce, aquece e esfria. É basicamente o "uso normal" e o "uso severo".

Ligar e desligar o computador toda hora é o uso severo. Manter o computador dormindo (para poupar energia), porém pronto para uso a qualquer momento é economia de tempo, de energia, de componentes, etc. Deixa pra desligar só quando for ficar muito tempo sem uso. E se for notebook sempre tenha em torno de 50% da carga da bateria ao desligar por longos períodos de tempo, de forma a evitar que a bateria se esgote totalmente e seja danificada.

A evolução da eletrônica ao longo do tempo é notável. Os engenheiros descobriram, lá nos idos dos anos 90, que manter partes dos circuitos ligados aumenta a durabilidade dos aparelhos. Um exemplo claro são as TVs: desde que passaram a adotar o esquema de dormir, diminuíram muito os casos de TVs queimadas. Aí vai aparecer sempre o cara que vai dizer "mas eu tenho uma tv de 1847 aqui em casa e ela ainda funciona". Duas coisas: 1- essa TV deve ter passado mais tempo ligada do que desligada e 2- Estatística não se faz com exemplos isolados.

Tem também outro ponto: quanto mais tempo um computador executa tarefas que não sejam atender ao usuário, maior o desperdício de recursos. "Gastar" tempo finalizando apps, finalizando sistema, iniciando sistema e abrindo apps é desperdício de recursos. A indústria passa anos criando esquemas para fazer os computadores se tornarem mais eficientes, como memórias dual channel, processadores com hyper threading, vários núcleos, tudo isso é para aumentar a quantidade de dados processados num período de tempo menor. Vamos desperdiçar isso ligando e desligando máquina?

Enfim, use o seu equipamento da forma que quiser, mas tenha em mente que ele foi projetado para ficar ligado e trabalhando. Desligar depois de um dia de trabalho à noite e ligar no dia seguinte de manhã é puro desperdício de tempo e desgaste desnecessário.

E lembrem-se: servidores são só computadores mais potentes. E eles não desligam. Afinal, o fórum tem que ficar no ar 24/7 para podermos discutir se devemos ou não desligar nossos computadores.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

1 hora atrás, Alan Leitão disse:

A regra é simples: se você vai usar o computador todo dia, não há mal algum em manter ele "dormindo" apenas, fechando a tela ou colocando em modo repouso. Computadores (não só os da Apple) foram projetados para funcionar assim. Dependendo da utilização essas máquinas podem passar anos ligadas direto sem problema algum.

Se o sistema se deteriora com o tempo, é porque o sistema é ruim e a gestão de recursos dele falhou. É lógico que tudo pode falhar, mas o objetivo dos projetos de hardware e software é não falhar. E quando falha, na gigantesca maioria dos casos um RQR (reinicia que resolve) se aplica.

O maior "desgaste" dos componentes é exatamente no momento em que eles são "energizados". É quando por eles surge diferença de potencial por aplicação de tensão elétrica. É quando eles saem do estado frio para o estado quente, ocorrendo dilatação de materiais. Coisas que esfriam e esquentam dilatam e retraem e mesmo que em escala muito pequena (lá nos micrômetros ou nanômetros), vai causando soldas frias ou até mesmo rompimento de componentes. É tipo "carro de estrada" e "carro de cidade": carros usados em estrada, em velocidade e rotação constantes, mesmo com altas quilometragens, em geral ficam em melhor estado de conservação e tem maior longevidade do que carros usados em cidade, no para e anda, rotação sobe e desce, aquece e esfria. É basicamente o "uso normal" e o "uso severo".

Ligar e desligar o computador toda hora é o uso severo. Manter o computador dormindo (para poupar energia), porém pronto para uso a qualquer momento é economia de tempo, de energia, de componentes, etc. Deixa pra desligar só quando for ficar muito tempo sem uso. E se for notebook sempre tenha em torno de 50% da carga da bateria ao desligar por longos períodos de tempo, de forma a evitar que a bateria se esgote totalmente e seja danificada.

A evolução da eletrônica ao longo do tempo é notável. Os engenheiros descobriram, lá nos idos dos anos 90, que manter partes dos circuitos ligados aumenta a durabilidade dos aparelhos. Um exemplo claro são as TVs: desde que passaram a adotar o esquema de dormir, diminuíram muito os casos de TVs queimadas. Aí vai aparecer sempre o cara que vai dizer "mas eu tenho uma tv de 1847 aqui em casa e ela ainda funciona". Duas coisas: 1- essa TV deve ter passado mais tempo ligada do que desligada e 2- Estatística não se faz com exemplos isolados.

Tem também outro ponto: quanto mais tempo um computador executa tarefas que não sejam atender ao usuário, maior o desperdício de recursos. "Gastar" tempo finalizando apps, finalizando sistema, iniciando sistema e abrindo apps é desperdício de recursos. A indústria passa anos criando esquemas para fazer os computadores se tornarem mais eficientes, como memórias dual channel, processadores com hyper threading, vários núcleos, tudo isso é para aumentar a quantidade de dados processados num período de tempo menor. Vamos desperdiçar isso ligando e desligando máquina?

Enfim, use o seu equipamento da forma que quiser, mas tenha em mente que ele foi projetado para ficar ligado e trabalhando. Desligar depois de um dia de trabalho à noite e ligar no dia seguinte de manhã é puro desperdício de tempo e desgaste desnecessário.

E lembrem-se: servidores são só computadores mais potentes. E eles não desligam. Afinal, o fórum tem que ficar no ar 24/7 para podermos discutir se devemos ou não desligar nossos computadores.

Não quero discordar de alguns pontos de sua opinião simplesmente por discordar como muitos fazem, mas apenas melhora-los.

Lido com eletrônica desde minha infância, e pelos meus 53 anos você deve imaginar a bagagem. Comecei desmontando meus brinquedos, tirando motores, lâmpadas. Depois desmontando rádios para ver como eram internamente. E a evolução veio aprendendo eletrônica com aquelas revistas de bancas "Saber Eletrônica" e "Be-a-bá da Eletrônica", onde comprava componentes e montava amplificadores, Flip Flops etc.... Depois fiz vestibular para engenharia e caí na mecânica e resolvi ficar na mecânica mesmo, mas minha paixão pela eletrônica nunca acabará.

Sobre computadores eu e meu irmão sempre tivemos paixão e também sempre íamos nas feiras de informática do Rio e de SP para ver os Prológicas, Cobra, TKs, Apple II. Pelo nosso interesse nosso Pai nos deu um TK-85 da linha Sinclair onde digitávamos os programas em B.A.S.I.C e depois gravávamos num gravador de fita National. Depois tive um CP-500 e na faculdade aprendi FORTRAN, CAD, e continuei com IBM-PC 286, depois 386, 486, Pentium, Intel Core...

Enfim, só fiz esse pequeno resumo da minha vida para dizer que não caí de para-quedas nesse meio.

Sobre sua explicação com relação a componentes eletrônicos sairem de um estado frio, por estarem desligados, e depois quando energizados sofreriam desgastes, isso depende muito do tipo de circuito, do projeto, e da finalidade do projeto, mas um componente chave para evitar exatamente isso que você citou da saída de um estado frio por estar desenergizado, é justamente o Capacitor que acumula energia elétrica e quando desenergizado mantem a carga elétrica no tempo, dependendo da sua capacidade e sua constituição física. 

Há um dado estatístico da Energy Star, que torna essa questão de ligar e desligar diariamente um Mac/PC irrelevante, e que diz assim:

"Segundo a Energy Star, um PC moderno é projetado para aguentar um total de 40 mil ciclos de ligar e desligar antes de falhar. Isso equivale a 109 anos ligando e desligando sua máquina diariamente uma vez por dia."

Agora vamos para os exemplos práticos. Conforme você deu um exemplo de uma TV de 1847, que obviamente foi irônico pois a primeira TV surgiu em 1920, mas que alguém poderia dar um exemplo que sua TV ou seu Rádio, ou seu PC nunca deu defeito ligando-o e desligando-o diariamente, serem exemplos isolados, digo que meus exemplos onde sempre liguei e desliguei TVs, e PCs, não são isolados pelo fato de serem muitos. Ao longo da minha vida desde o primeiro computador até os atuais, devam ter sido uns 20 (vinte) computadores entre as linhas (Sinclair, TRS-80, IBM-PC x86 ou Mac), e  com isso nunca tive problema algum de desgaste ou queima de fonte, ou processador, ou outros componente que me deixasse na mão por liga-los e desliga-los diariamente.

O projeto como um todo é que precisa ser bem feito para aumentar a vida útil dos componentes eletrônicos e contemplar inclusive o tempo de uso em função da quantidades de vezes quando são submetidos a condições de operação de ligar e desligar.

Enfim, use seu equipamento da forma que quiser, ligando-o e desligando-o diariamente, ou deixando-o ligado o quanto desejar, pois equipamentos bons são projetados para isso.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Opa!!!

 

Eu tive esse dúvida quando vim do windows a 4 anos atrás, as vezes eu fechava o note e colocava na mochila e quando chegava em casa ele não tinha hibernado e estava fritando.

Vou falar a minha opinião de leigo , sem base científica como muitos aqui hehe..

Eu desligo meu Mac só quando vou estar de férias, já que vou passar ao menos 1 semana sem usar, fora isso, ele sempre estará em repouso .. eu costumo reiniciar ele uma vez por mês ao menos, mas desligar e deixar desligado apenas quando de fato vou passar muito tempo longe.

Geralmente uso o meu de Segunda a Sábado, só domingo que eu faço o favor de passar longe dele ahhaha..

 

Em resumo, essa é a forma que eu uso, e quando vendi meu Air Intel esse ano para pegar um M1, meu Air estava inteiro.

 

 

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

8 minutos atrás, Rafaeljr disse:

Opa!!!

 

Eu tive esse dúvida quando vim do windows a 4 anos atrás, as vezes eu fechava o note e colocava na mochila e quando chegava em casa ele não tinha hibernado e estava fritando.

Vou falar a minha opinião de leigo , sem base científica como muitos aqui hehe..

Eu desligo meu Mac só quando vou estar de férias, já que vou passar ao menos 1 semana sem usar, fora isso, ele sempre estará em repouso .. eu costumo reiniciar ele uma vez por mês ao menos, mas desligar e deixar desligado apenas quando de fato vou passar muito tempo longe.

Geralmente uso o meu de Segunda a Sábado, só domingo que eu faço o favor de passar longe dele ahhaha..

 

Em resumo, essa é a forma que eu uso, e quando vendi meu Air Intel esse ano para pegar um M1, meu Air estava inteiro.

 

 

 

Antes de adquirir o meu MacBook Pro, eu tinha um HP ProBook, e eu observava nele esse mesmo comportamento que você citou: quando eu o colocava em repouso, algum programa ou alguma coisa despertava o computador e fazia ele funcionar a 100% da potência, como se estivesse ligado - mesmo com a tampa fechada. Eu nunca vi esse comportamento nos MacBooks. Acho que é por isso que muitos donos de MacBooks, que já usaram computadores windows, tem um certo pé atrás em deixar o computador apenas repousando.

3 horas atrás, Alan Leitão disse:

Aí vai aparecer sempre o cara que vai dizer "mas eu tenho uma tv de 1847

Hahahahaha, eu ri muito nessa parte! sim, sempre tem esse corno!

3 horas atrás, Alan Leitão disse:

Tem também outro ponto: quanto mais tempo um computador executa tarefas que não sejam atender ao usuário, maior o desperdício de recursos. "Gastar" tempo finalizando apps, finalizando sistema, iniciando sistema e abrindo apps é desperdício de recursos.

Eu nunca tinha pensado sobre esse aspecto da questão; talvez seja por isso que no MacOS, o botão vermelho apenas fecha a janela, mas não encerra o app, afinal, se você precisar dele novamente, não vai precisar esperar que ele carregue novamente! Esse era um outro tópico que eu estava pensando em criar aqui: o que é melhor? fechar a janela (cmd + w) ou encerrar o app (cmd + q); você me deu muito sobre o que pensar Alan! 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

25 minutos atrás, Joe disse:

Antes de adquirir o meu MacBook Pro, eu tinha um HP ProBook, e eu observava nele esse mesmo comportamento que você citou: quando eu o colocava em repouso, algum programa ou alguma coisa despertava o computador e fazia ele funcionar a 100% da potência, como se estivesse ligado - mesmo com a tampa fechada. Eu nunca vi esse comportamento nos MacBooks. Acho que é por isso que muitos donos de MacBooks, que já usaram computadores windows, tem um certo pé atrás em deixar o computador apenas repousando.

No primeiro mês eu tive esse receio de fechar e guardar, mas hoje, depois de 4 anos, só fechar o Air colocar na mochila e ser feliz hahahah 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

21 horas atrás, Marcelo_P disse:

Não quero discordar de alguns pontos de sua opinião simplesmente por discordar como muitos fazem, mas apenas melhora-los.

Lido com eletrônica desde minha infância, e pelos meus 53 anos você deve imaginar a bagagem. Comecei desmontando meus brinquedos, tirando motores, lâmpadas. Depois desmontando rádios para ver como eram internamente. E a evolução veio aprendendo eletrônica com aquelas revistas de bancas "Saber Eletrônica" e "Be-a-bá da Eletrônica", onde comprava componentes e montava amplificadores, Flip Flops etc.... Depois fiz vestibular para engenharia e caí na mecânica e resolvi ficar na mecânica mesmo, mas minha paixão pela eletrônica nunca acabará.

Sobre computadores eu e meu irmão sempre tivemos paixão e também sempre íamos nas feiras de informática do Rio e de SP para ver os Prológicas, Cobra, TKs, Apple II. Pelo nosso interesse nosso Pai nos deu um TK-85 da linha Sinclair onde digitávamos os programas em B.A.S.I.C e depois gravávamos num gravador de fita National. Depois tive um CP-500 e na faculdade aprendi FORTRAN, CAD, e continuei com IBM-PC 286, depois 386, 486, Pentium, Intel Core...

Enfim, só fiz esse pequeno resumo da minha vida para dizer que não caí de para-quedas nesse meio.

Sobre sua explicação com relação a componentes eletrônicos sairem de um estado frio, por estarem desligados, e depois quando energizados sofreriam desgastes, isso depende muito do tipo de circuito, do projeto, e da finalidade do projeto, mas um componente chave para evitar exatamente isso que você citou da saída de um estado frio por estar desenergizado, é justamente o Capacitor que acumula energia elétrica e quando desenergizado mantem a carga elétrica no tempo, dependendo da sua capacidade e sua constituição física. 

Há um dado estatístico da Energy Star, que torna essa questão de ligar e desligar diariamente um Mac/PC irrelevante, e que diz assim:

"Segundo a Energy Star, um PC moderno é projetado para aguentar um total de 40 mil ciclos de ligar e desligar antes de falhar. Isso equivale a 109 anos ligando e desligando sua máquina diariamente uma vez por dia."

Agora vamos para os exemplos práticos. Conforme você deu um exemplo de uma TV de 1847, que obviamente foi irônico pois a primeira TV surgiu em 1920, mas que alguém poderia dar um exemplo que sua TV ou seu Rádio, ou seu PC nunca deu defeito ligando-o e desligando-o diariamente, serem exemplos isolados, digo que meus exemplos onde sempre liguei e desliguei TVs, e PCs, não são isolados pelo fato de serem muitos. Ao longo da minha vida desde o primeiro computador até os atuais, devam ter sido uns 20 (vinte) computadores entre as linhas (Sinclair, TRS-80, IBM-PC x86 ou Mac), e  com isso nunca tive problema algum de desgaste ou queima de fonte, ou processador, ou outros componente que me deixasse na mão por liga-los e desliga-los diariamente.

O projeto como um todo é que precisa ser bem feito para aumentar a vida útil dos componentes eletrônicos e contemplar inclusive o tempo de uso em função da quantidades de vezes quando são submetidos a condições de operação de ligar e desligar.

Enfim, use seu equipamento da forma que quiser, ligando-o e desligando-o diariamente, ou deixando-o ligado o quanto desejar, pois equipamentos bons são projetados para isso.

Por favor, não considere isso uma discussão, até porque eu sou muito aberto a conversas sobre opiniões diferentes, mas eu respeitosamente discordo (um pouco) da sua posição sobre estatística. Vinte, 30, ou até mesmo 100 exemplos de uma pessoa não são nada quando se compara a indústria eletrônica inteira, computadores incluídos como um subgrupo dessa indústria. Eu não uso a minha experiência para indicar se deve-se ou não ligar ou desligar, até porque é só procurar um pouco na internet que vai se achar uma tonelada de experiências iguais ou superiores "provando" exatamente o contrário e vice-versa.

Eu entendo que os capacitores acumulam energia e vão descarregando ao longo do tempo, mas eles não são usados para manter os circuitos em "estado quente" porque descarregam muito rápido para essa tarefa. Eles são (basicamente mas não apenas) usados, se minha memória não estiver me traindo, em retificadores como filtros para evitar o Ripple. Circuitos que "precisam" (entre aspas porque precisar eles realmente não precisam) ficar em "estado quente" geralmente usam acumuladores mais eficientes, como baterias ou usam a energia da concessionária para tal. O problema é que quando se desliga um aparelho, mesmo que ele tenha bateria, o circuito se "desacopla" da fonte de energia, o que faz com que a "porrada" causada pela DDP instantânea ocorra ao ligar.

O que eu concordo (e muito) no seu discurso é que os projetos precisam ser bem executados para que a longevidade aumente. E uma boa execução dos projetos foi manter os componentes em "estado quente", evitando a dilatação e retração deles. Isso influenciou demais na durabilidade, citando apenas um fator que era decisivo, principalmente com a miniaturização, onde qualquer micrômetro afeta a ligação entre componentes.

A Energy Star também comenta que tudo o que foi escrito é em condições ideais. Todos nós sabemos que condições ideais são as que menos acontecem e é por isso que todos os componentes tem uma coisa chamada tolerância. Aquela vida útil é estimada, até porque não teríamos ninguém testando um aparelho por 109 anos (por motivos biológicos 😉) e testar mais de um ciclo por dia já interferiria no resultado e considera condições de laboratório, que como comentei, não se repetem no dia-a-dia.  Na época que eu me formei, resistores poderiam ter tolerâncias de até 10%! - aqui vale um comentário: não sei se continuam existindo desses componentes com essa tolerância toda, porém não se imagina hoje um circuito de um computador aceitando uma tolerância dessas. E lembro, se novamente minha memória não estiver me traindo, que os resistores de precisão (com tolerância menor que 1%) custavam um rim, 50% de um fígado e duas balas Juquinha. Isso para ficar só no exemplo de um componente.

Observe que estou me referindo muito à questão da "fase fria" e "fase quente" de um circuito, mas isso não é a única coisa, há várias, essa é apenas a mais perceptível. Há a questão atômica dos elétrons colidindo, o atrito que eles causam nos condutores, a qualidade construtiva, a qualidade dos materiais, o correto uso, condições de refrigeração, humidade, salinidade, etc. Mas do ponto de vista do início do tópico, no caso de ligar e desligar, eu ainda considero que manter ligado, em estado de baixo consumo de energia (dormindo) ainda é a melhor prática, seja eletrônica ou econômica.

Usando (erroneamente) a minha experiência, nenhum dos computadores que tive e/ou que já gerenciei, durou menos do que a vida útil econômica e nem mesmo a vida útil estimada para eles. Incluindo aí servidores, que ficam 24/7 ligados e rodando com capacidade plena, devido à virtualização para diminuir o tempo de ociosidade e usar melhor os recursos que já estão ligados e consumindo energia. Meu último Macbook Pro funcionou por 5 anos e alguns meses seguidos sem nunca desligar e muitas vezes só reiniciava quando aplicava uma atualização do macOS ou quando a bateria descarregava, por trabalhar longe de uma tomada. Meu Macbook Pro atual está ligado há 3 meses e só reiniciou quando apliquei alguma atualização do macOS.

O que eu acho (agora é opinião pura e simples porque saí desse mercado de manutenção há uns 15 anos) é que a qualidade das fontes de energia (de tudo) deu um salto significativo, o que ajudou muito a aumentar a longevidade dos equipamentos, mas nesse quesito eu acredito que você pode ser mais efetivo em comentar se minha percepção é verdadeira ou não.

O que podemos concluir, se somarmos as nossas experiências, é que pouco importa como se usa, se ele tiver que pifar, ele vai pifar. Então sejamos felizes e usemos nossos equipamentos da forma que melhor nos convier!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

21 horas atrás, Joe disse:

Eu nunca tinha pensado sobre esse aspecto da questão; talvez seja por isso que no MacOS, o botão vermelho apenas fecha a janela, mas não encerra o app, afinal, se você precisar dele novamente, não vai precisar esperar que ele carregue novamente! Esse era um outro tópico que eu estava pensando em criar aqui: o que é melhor? fechar a janela (cmd + w) ou encerrar o app (cmd + q); você me deu muito sobre o que pensar Alan! 

É bem por aí. Se o app fica aberto, não é necessário perder tempo abrindo ele para abrir um projeto ou arquivo. Se hoje com memórias rápidas e armazenamento de estado sólido isso parece besteira, imagine quando se tinha que carregar um app pesado lendo um disco rígido de 5400 RPM com 2 MB de buffer... não fechar o app era economia de tempo e de bateria!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

21 horas atrás, Joe disse:

Eu nunca tinha pensado sobre esse aspecto da questão; talvez seja por isso que no MacOS, o botão vermelho apenas fecha a janela, mas não encerra o app, afinal, se você precisar dele novamente, não vai precisar esperar que ele carregue novamente! Esse era um outro tópico que eu estava pensando em criar aqui: o que é melhor? fechar a janela (cmd + w) ou encerrar o app (cmd + q); você me deu muito sobre o que pensar Alan! 

Eu sou da época que se fazia de tudo com 640 Kb de RAM. O pessoal hoje tem 16 GB de RAM e fica tentando gerenciar memória com um monte de app que só serve para atrapalhar. RAM foi feita para ser usada, se o sistema precisar de mais RAM para executar uma tarefa ele mesmo irá fazer com que ela seja liberada, seja "jogando fora" conteúdo não usado ou paginando, colocando esse conteúdo no armazenamento para liberar espaço na memória de acesso aleatório. Esse pessoal não sabe o que é ajudar um config.sys e um autoexec.bat para carregar drivers e apps de inicialização na memória alta e liberar a convencional para os programas do usuário. Nunca devem ter visto um memmaker da vida funcionando.

O mais engraçado é que a RAM está sempre ocupada e o pessoal não sabe disso. O que os programas de gerenciamento de RAM fazem é só marcar o que está inativo como livre, ou seja, puro placebo. Limpar mesmo, eles não limpam. Memória RAM nunca fica "sem nada". O máximo que ocorre é que quando não se "encheu" ela, fica com "espaço livre" todo preenchido com bit 0 e marcado como livre. O sistema irá precisar trocar o dado que está lá pelo que o usuário quer usar e marcar como ativo e quando o programa fecha ele marca como inativo, só para acelerar abertura do programa novamente caso o usuário o acione novamente. Aí é só marcar como ativo e ler tudo novamente da RAM e não do armazenamento.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Em 06/06/2021 at 16:46, Marcelo_P disse:

Engraçado né, para você me contrapor você fala que só existem duas arquiteturas, mas você sabe que temos três, tanto que na linha seguinte você se contradiz dizendo que temos três, mas por atualmente só temos duas conhecidas.

O UNIX, por ser completamente diferente, conforme suas palavras, deixou de ser uma arquitetura só para você me contrapor.

Eu não preciso dar risinhos ridículos ou dizer que o outro está nervoso para provar incoerências de argumentos.

Manda outra que essa "deu ruim !"

Desculpa me intrometer nessa discussão, mas acho que você não entendeu o ponto dele.

x86, amd64 (x86-64 ou x64), aarch64 (arm64) são ISAs (instruction set architectures) também conhecidas como arquiteturas de processadores e são divididas em duas classes, sendo CISC (complex instruction set computer) e RISC (reduced instruction set computer), onde a primeira trabalha com instruções complexas de tamanho variável e a segunda com instruções simples de tamanho fixo.

Unix é um sistema operacional, que é construído para ser executado em uma CPU que tem uma ISA específica.

O que ele queria dizer é que são coisas diferentes.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

3 horas atrás, Alan Leitão disse:

Por favor, não considere isso uma discussão, até porque eu sou muito aberto a conversas sobre opiniões diferentes, mas eu respeitosamente discordo (um pouco) da sua posição sobre estatística. Vinte, 30, ou até mesmo 100 exemplos de uma pessoa não são nada quando se compara a indústria eletrônica inteira, computadores incluídos como um subgrupo dessa indústria. Eu não uso a minha experiência para indicar se deve-se ou não ligar ou desligar, até porque é só procurar um pouco na internet que vai se achar uma tonelada de experiências iguais ou superiores "provando" exatamente o contrário e vice-versa.

Eu entendo que os capacitores acumulam energia e vão descarregando ao longo do tempo, mas eles não são usados para manter os circuitos em "estado quente" porque descarregam muito rápido para essa tarefa. Eles são (basicamente mas não apenas) usados, se minha memória não estiver me traindo, em retificadores como filtros para evitar o Ripple. Circuitos que "precisam" (entre aspas porque precisar eles realmente não precisam) ficar em "estado quente" geralmente usam acumuladores mais eficientes, como baterias ou usam a energia da concessionária para tal. O problema é que quando se desliga um aparelho, mesmo que ele tenha bateria, o circuito se "desacopla" da fonte de energia, o que faz com que a "porrada" causada pela DDP instantânea ocorra ao ligar.

O que eu concordo (e muito) no seu discurso é que os projetos precisam ser bem executados para que a longevidade aumente. E uma boa execução dos projetos foi manter os componentes em "estado quente", evitando a dilatação e retração deles. Isso influenciou demais na durabilidade, citando apenas um fator que era decisivo, principalmente com a miniaturização, onde qualquer micrômetro afeta a ligação entre componentes.

A Energy Star também comenta que tudo o que foi escrito é em condições ideais. Todos nós sabemos que condições ideais são as que menos acontecem e é por isso que todos os componentes tem uma coisa chamada tolerância. Aquela vida útil é estimada, até porque não teríamos ninguém testando um aparelho por 109 anos (por motivos biológicos 😉) e testar mais de um ciclo por dia já interferiria no resultado e considera condições de laboratório, que como comentei, não se repetem no dia-a-dia.  Na época que eu me formei, resistores poderiam ter tolerâncias de até 10%! - aqui vale um comentário: não sei se continuam existindo desses componentes com essa tolerância toda, porém não se imagina hoje um circuito de um computador aceitando uma tolerância dessas. E lembro, se novamente minha memória não estiver me traindo, que os resistores de precisão (com tolerância menor que 1%) custavam um rim, 50% de um fígado e duas balas Juquinha. Isso para ficar só no exemplo de um componente.

Observe que estou me referindo muito à questão da "fase fria" e "fase quente" de um circuito, mas isso não é a única coisa, há várias, essa é apenas a mais perceptível. Há a questão atômica dos elétrons colidindo, o atrito que eles causam nos condutores, a qualidade construtiva, a qualidade dos materiais, o correto uso, condições de refrigeração, humidade, salinidade, etc. Mas do ponto de vista do início do tópico, no caso de ligar e desligar, eu ainda considero que manter ligado, em estado de baixo consumo de energia (dormindo) ainda é a melhor prática, seja eletrônica ou econômica.

Usando (erroneamente) a minha experiência, nenhum dos computadores que tive e/ou que já gerenciei, durou menos do que a vida útil econômica e nem mesmo a vida útil estimada para eles. Incluindo aí servidores, que ficam 24/7 ligados e rodando com capacidade plena, devido à virtualização para diminuir o tempo de ociosidade e usar melhor os recursos que já estão ligados e consumindo energia. Meu último Macbook Pro funcionou por 5 anos e alguns meses seguidos sem nunca desligar e muitas vezes só reiniciava quando aplicava uma atualização do macOS ou quando a bateria descarregava, por trabalhar longe de uma tomada. Meu Macbook Pro atual está ligado há 3 meses e só reiniciou quando apliquei alguma atualização do macOS.

O que eu acho (agora é opinião pura e simples porque saí desse mercado de manutenção há uns 15 anos) é que a qualidade das fontes de energia (de tudo) deu um salto significativo, o que ajudou muito a aumentar a longevidade dos equipamentos, mas nesse quesito eu acredito que você pode ser mais efetivo em comentar se minha percepção é verdadeira ou não.

O que podemos concluir, se somarmos as nossas experiências, é que pouco importa como se usa, se ele tiver que pifar, ele vai pifar. Então sejamos felizes e usemos nossos equipamentos da forma que melhor nos convier!

Várias discordâncias:

1ª) "Vinte, 30, ou até mesmo 100 exemplos de uma pessoa não são nada quando se compara a indústria eletrônica"

Então quais os trabalhos acadêmicos se baseiam seus argumentos sobre a indústria eletrônica, já que experiência não vale ? Falar que não valem só por falar, também não valem para mim.

2ª) Experiência conta muito e não acho errado usar a experiência de cada um como forma de reforçar certos argumentos.

3ª) Capacitores acumulam energia ao longo do tempo e esse tempo é determinado pela capacitância e projeto, e se o projeto calcula que capacitores que fazem parte de um circuito de alimentação, por exemplo, esse projeto preverá quanto tempo esses capacitores ficarão com carga a ponto de não prejudicar componentes mais sensíveis ao calor ou a falta de energia. Não dá para você dizer simplesmente que capacitores descarregam sem energia que isso todo mundo sabe, mas o tempo que eles levam para descarregar, só o projeto do determinado computador é que vai dizer.

4ª) Isso tudo que você fala de (Retificadores, Filtro, Resistores de Percisão, Eviar Ripple etc...) não significa nada pois cada projeto de PC ou Mac é um projeto único, e tudo isso no seu argumento é genérico.

Eu também poderia ficar falando de (Ponte de Wheatstone, Diodo Zener, fotodiodo, Varistores, Schottky, Circuitos Thevenin), mas para que ? Para me mostrar ? para eu dizer que eu tenho conhecimento do assunto, impressionar quem está lendo e com isso dar credibilidade ao meu argumento ?

Mas não, pois em todos meus comentários, falo de minha experiência, como disse anteriormente, mas não ultrapasso certo nível para não parecer arrogante e rebaixar meu interlocutor.

E já percebi que você faz exatamente o contrário, em vários de seus comentários você vive "gastando" seu dicionário técnico para embasar argumentos. O problema disso é que vários de seus argumentos são errados, dotados de genericidades, e para quem lê sem conhecimento parece válido, mas não é

5ª) Uma questão: 

Porque em seus comentários genéricos quanto você fala sobre (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...), para validar seus argumentos a favor de deixar PC ou MACs ligados, valem, mas quando eu cito a Energy Star, que é  um padrão internacional super respeitado no mundo, não valem pois o que eles falam em condições ideais ?

O que você fala então não são em condições ideais ? 

Como pode os exemplos que você deu citando (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...) não serem exemplos genéricos e ideais, se você não especificou em que condições esses exemplos se aplicam ?

6ª)   "Aquela vida útil é estimada, até porque não teríamos ninguém testando um aparelho por 109 anos (por motivos biológicos"

A vida útil estimada pela Energy Star, onde ela diz que um PC pode não ter problema em ser ligado e desligado por 109 anos não vale para você porque ALGUÉM PRECISA CHEGAR A 109 ANOS PARA A ESTIMATIVA SER VÁLIDA ????

É isso mesmo que você quis dizer ? 

Um cara que "gasta" seu dicionário técnico e o usa para tentar dar credibilidade a seus argumentos, diz uma bobagem infantil dessa só para descredibilizar minha citação sobre a Energy Star, que é um dos maiores padrões internacionais de energia do mundo ?

Você só pode estar de brincadeira né !

Faço questão de printar essa sua fala para ficar para a posteridade.

7ª) "Usando (erroneamente) a minha experiência"

Ué ! Primeiro você discorda do uso da experiência pessoal em argumentos e depois você a usa ?

Cadê a coerência ?

2 horas atrás, Alan Leitão disse:

Desculpa me intrometer nessa discussão, mas acho que você não entendeu o ponto dele.

x86, amd64 (x86-64 ou x64), aarch64 (arm64) são ISAs (instruction set architectures) também conhecidas como arquiteturas de processadores e são divididas em duas classes, sendo CISC (complex instruction set computer) e RISC (reduced instruction set computer), onde a primeira trabalha com instruções complexas de tamanho variável e a segunda com instruções simples de tamanho fixo.

Unix é um sistema operacional, que é construído para ser executado em uma CPU que tem uma ISA específica.

O que ele queria dizer é que são coisas diferentes.

 

Entendi sim o ponto dele. E discordo do meio e não desse conteúdo em específico, pois se eu me equivoquei em esquecer que UNIX é uma linguagem e não uma arquitetura, qual o problema nisso ?

 

 

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

33 minutos atrás, Marcelo_P disse:

Várias discordâncias:

1ª) "Vinte, 30, ou até mesmo 100 exemplos de uma pessoa não são nada quando se compara a indústria eletrônica"

Então quais os trabalhos acadêmicos se baseiam seus argumentos sobre a indústria eletrônica, já que experiência não vale ? Falar que não valem só por falar, também não valem para mim.

2ª) Experiência conta muito e não acho errado usar a experiência de cada um como forma de reforçar certos argumentos.

3ª) Capacitores acumulam energia ao longo do tempo e esse tempo é determinado pela capacitância e projeto, e se o projeto calcula que capacitores que fazem parte de um circuito de alimentação, por exemplo, esse projeto preverá quanto tempo esses capacitores ficarão com carga a ponto de não prejudicar componentes mais sensíveis ao calor ou a falta de energia. Não dá para você dizer simplesmente que capacitores descarregam sem energia que isso todo mundo sabe, mas o tempo que eles levam para descarregar, só o projeto do determinado computador é que vai dizer.

4ª) Isso tudo que você fala de (Retificadores, Filtro, Resistores de Percisão, Eviar Ripple etc...) não significa nada pois cada projeto de PC ou Mac é um projeto único, e tudo isso no seu argumento é genérico.

Eu também poderia ficar falando de (Ponte de Wheatstone, Diodo Zener, fotodiodo, Varistores, Schottky, Circuitos Thevenin), mas para que ? Para me mostrar ? para eu dizer que eu tenho conhecimento do assunto, impressionar quem está lendo e com isso dar credibilidade ao meu argumento ?

Mas não, pois em todos meus comentários, falo de minha experiência, como disse anteriormente, mas não ultrapasso certo nível para não parecer arrogante e rebaixar meu interlocutor.

E já percebi que você faz exatamente o contrário, em vários de seus comentários você vive "gastando" seu dicionário técnico para embasar argumentos. O problema disso é que vários de seus argumentos são errados, dotados de genericidades, e para quem lê sem conhecimento parece válido, mas não é

5ª) Uma questão: 

Porque em seus comentários genéricos quanto você fala sobre (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...), para validar seus argumentos a favor de deixar PC ou MACs ligados, valem, mas quando eu cito a Energy Star, que é  um padrão internacional super respeitado no mundo, não valem pois o que eles falam em condições ideais ?

O que você fala então não são em condições ideais ? 

Como pode os exemplos que você deu citando (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...) não serem exemplos genéricos e ideais, se você não especificou em que condições esses exemplos se aplicam ?

6ª)   "Aquela vida útil é estimada, até porque não teríamos ninguém testando um aparelho por 109 anos (por motivos biológicos"

A vida útil estimada pela Energy Star, onde ela diz que um PC pode não ter problema em ser ligado e desligado por 109 anos não vale para você porque ALGUÉM PRECISA CHEGAR A 109 ANOS PARA A ESTIMATIVA SER VÁLIDA ????

É isso mesmo que você quis dizer ? 

Um cara que "gasta" seu dicionário técnico e o usa para tentar dar credibilidade a seus argumentos, diz uma bobagem infantil dessa só para descredibilizar minha citação sobre a Energy Star, que é um dos maiores padrões internacionais de energia do mundo ?

Você só pode estar de brincadeira né !

Faço questão de printar essa sua fala para ficar para a posteridade.

7ª) "Usando (erroneamente) a minha experiência"

Ué ! Primeiro você discorda do uso da experiência pessoal em argumentos e depois você a usa ?

Cadê a coerência ?

 

Entendi sim o ponto dele. E discordo do meio e não desse conteúdo em específico, pois se eu me equivoquei em esquecer que UNIX é uma linguagem e não uma arquitetura, qual o problema nisso ?

 

 

Você esqueceu de negativar a foto dos meus Macbooks, por favor, faça o serviço completo. 😂😂😂

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

2 minutos atrás, Joe disse:

Você esqueceu de negativar a foto dos meus Macbooks, por favor, faça o serviço completo. 😂😂😂

É que não deu, pois deve ter um limite para isso.

Valeu por lembrar ! 👍🤚

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

9 horas atrás, Marcelo_P disse:

Várias discordâncias:

1ª) "Vinte, 30, ou até mesmo 100 exemplos de uma pessoa não são nada quando se compara a indústria eletrônica"

Então quais os trabalhos acadêmicos se baseiam seus argumentos sobre a indústria eletrônica, já que experiência não vale ? Falar que não valem só por falar, também não valem para mim.

2ª) Experiência conta muito e não acho errado usar a experiência de cada um como forma de reforçar certos argumentos.

3ª) Capacitores acumulam energia ao longo do tempo e esse tempo é determinado pela capacitância e projeto, e se o projeto calcula que capacitores que fazem parte de um circuito de alimentação, por exemplo, esse projeto preverá quanto tempo esses capacitores ficarão com carga a ponto de não prejudicar componentes mais sensíveis ao calor ou a falta de energia. Não dá para você dizer simplesmente que capacitores descarregam sem energia que isso todo mundo sabe, mas o tempo que eles levam para descarregar, só o projeto do determinado computador é que vai dizer.

4ª) Isso tudo que você fala de (Retificadores, Filtro, Resistores de Percisão, Eviar Ripple etc...) não significa nada pois cada projeto de PC ou Mac é um projeto único, e tudo isso no seu argumento é genérico.

Eu também poderia ficar falando de (Ponte de Wheatstone, Diodo Zener, fotodiodo, Varistores, Schottky, Circuitos Thevenin), mas para que ? Para me mostrar ? para eu dizer que eu tenho conhecimento do assunto, impressionar quem está lendo e com isso dar credibilidade ao meu argumento ?

Mas não, pois em todos meus comentários, falo de minha experiência, como disse anteriormente, mas não ultrapasso certo nível para não parecer arrogante e rebaixar meu interlocutor.

E já percebi que você faz exatamente o contrário, em vários de seus comentários você vive "gastando" seu dicionário técnico para embasar argumentos. O problema disso é que vários de seus argumentos são errados, dotados de genericidades, e para quem lê sem conhecimento parece válido, mas não é

5ª) Uma questão: 

Porque em seus comentários genéricos quanto você fala sobre (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...), para validar seus argumentos a favor de deixar PC ou MACs ligados, valem, mas quando eu cito a Energy Star, que é  um padrão internacional super respeitado no mundo, não valem pois o que eles falam em condições ideais ?

O que você fala então não são em condições ideais ? 

Como pode os exemplos que você deu citando (Capacitores, Filtros Ripple, DDP, etc...) não serem exemplos genéricos e ideais, se você não especificou em que condições esses exemplos se aplicam ?

6ª)   "Aquela vida útil é estimada, até porque não teríamos ninguém testando um aparelho por 109 anos (por motivos biológicos"

A vida útil estimada pela Energy Star, onde ela diz que um PC pode não ter problema em ser ligado e desligado por 109 anos não vale para você porque ALGUÉM PRECISA CHEGAR A 109 ANOS PARA A ESTIMATIVA SER VÁLIDA ????

É isso mesmo que você quis dizer ? 

Um cara que "gasta" seu dicionário técnico e o usa para tentar dar credibilidade a seus argumentos, diz uma bobagem infantil dessa só para descredibilizar minha citação sobre a Energy Star, que é um dos maiores padrões internacionais de energia do mundo ?

Você só pode estar de brincadeira né !

Faço questão de printar essa sua fala para ficar para a posteridade.

7ª) "Usando (erroneamente) a minha experiência"

Ué ! Primeiro você discorda do uso da experiência pessoal em argumentos e depois você a usa ?

Cadê a coerência ?

 

Entendi sim o ponto dele. E discordo do meio e não desse conteúdo em específico, pois se eu me equivoquei em esquecer que UNIX é uma linguagem e não uma arquitetura, qual o problema nisso ?

 

 

Então, já que a cortesia foi embora, vamos comentar da forma mais resumida possível para não haver problemas, dado que você se ofende fácil.

1- Não são necessários trabalhos acadêmicos para tratar de estatística. Qualquer estudante secundarista sabe que o espaço amostral de 100 unidades perante um universo de todos os equipamentos produzidos pela indústria eletrônica é pobre.

2- Concordo, quando a experiência faz sentido. No contexto, por pura aplicação matemática, não faz.

3- Pelo que lembro, e novamente se minha memória não está me traindo, capacitores de alta capacitância são grandes e pesados. A proposta é enfiar um negócio desses em um notebook?

4- Nem vale comentar. Você não entendeu o que eu escrevi nessa parte do texto.

4a- Macs são PCs também. Só queria deixar isso explícito.

5- O comentário foi simples: um capacitor puro e simples não é suficiente para manter um circuito "em estado quente" porque simplesmente não é o tipo de aplicação para esse componente, goste você ou não.

5a- O comentário sobre a Energy Star em momento algum desmereceu o argumento, apenas coloquei outro ponto de vista. A previsão deles (e nem é deles para falar a verdade) é uma aproximação estatística baseada em um teste de laboratório simulando uma condição específica que não detalha nada, só afirma. Se formos seguir a linha do cientificamente correto, só vale para o tipo de equipamento experimentado e o que eles fizeram foi uma extrapolação. A instituição é super respeitada, a citação é que careceu de detalhamento. O que eu comentei foi só para colocar um pouco de luz sobre a questão levantada. E novamente você não entendeu o que foi escrito.

6- Qual foi o método usado para estimar uma vida útil de 109 anos ligando e desligando um PC uma vez por dia se o primeiro computador eletrônico produzido pela humanidade não tem isso de fabricado? Uma vez que não temos o estudo (só a citação dele) não dá para entender o que essa afirmação significa nem de onde ela saiu. Qual foi o equipamento usado? O computador fez alguma coisa enquanto esteve ligado ou não? Ele foi ligado e imediatamente desligado? Qual a temperatura ambiente do teste? Qual a humidade relativa do teste? Está vendo como faltam dados? Na falta dos dados, a única possibilidade de validar a afirmação é repetí-la para confirmá-la. O nome disso é verificação por pares. E olha que eu escrevi essa parte do texto mais como um alívio cômico do que uma argumentação e você levou muito à sério.

6a- Cuidado ao acreditar em tudo o que dizem. Até mesmo instituições grandes e sérias podem errar ou ser tendenciosas. Criticar e validar faz parte do negócio, até mesmo com alguns exageros só para mostrar que faltam dados para validar certas afirmações. Se você não gosta de coisas genéricas, não deveria se apegar à frase "Segundo a Energy Star, um PC moderno é projetado para aguentar um total de 40 mil ciclos de ligar e desligar antes de falhar. Isso equivale a 109 anos ligando e desligando sua máquina diariamente uma vez por dia." até porque:

6a1- pela forma como está escrito, a declaração não veio da Energy Star, sendo uma citação de um terceiro e atribuindo à primeira. Inclusive o correto é que a Energy Star usa uma citação de um documento publicado pela Rocky Mountain Institute (essa eu não conhecia) que afirma isso, sem detalhar nenhum teste, focado em economia de energia. A quem interessar, o PDF de onde essa citação saiu está aqui.

6a2- nada mais genérico do que "um pc moderno".

7- Você notou que eu usei a palavra "erroneamente" para deixar claro que a partir daquele momento eu estava cometendo um erro? Que tudo o que estava escrito a partir dali e até o fim do parágrafo só valia para mim porque era a minha experiência e só foi usado para mostrar que há experiências igualmente verdadeiras diferentes da sua, mas que não valem nada porque são um espaço amostral pobre perante o universo comparado? Interpretação de texto manda lembranças.

Adendo: você percebeu que eu pedi a sua opinião sobre a qualidade construtiva das fontes de alimentação que a meu ver melhoraram muito nos últimos 15 anos? Essa parte você ignorou. Esse é o comportamento esperado de um adolescente troll de internet, jamais esperaria vindo de você que parece ser um cara maduro com um bom tempo de estrada.

E se você não vê problema em confundir uma ISA com um sistema operacional (que você chama de linguagem), quem sou eu para discordar. Eu só queria colocar uma luz sobre a questão para compartilhar conhecimento (objetivo do fórum) e ainda me desculpei por fazer isso. Paciência.

Um bom dia pra você.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

3 horas atrás, Alan Leitão disse:

"Segundo a Energy Star, um PC moderno é projetado para aguentar um total de 40 mil ciclos de ligar e desligar antes de falhar. Isso equivale a 109 anos ligando e desligando sua máquina diariamente uma vez por dia."

Oi, desculpa me intrometer, mas não posso deixar de falar isso.

Eu conheço essa citação - que supostamente é da Energy Star. Se você colocar "desligar o PC todo dia" no Google, é o primeiro resultado que aparece, num artigo do Techmundo. Aliás, essa citação é repetida a torto e a direito em vários outros sites menores de tecnologia que tratam desse assunto. 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

6 horas atrás, Alan Leitão disse:

Então, já que a cortesia foi embora, vamos comentar da forma mais resumida possível para não haver problemas, dado que você se ofende fácil.

1- Não são necessários trabalhos acadêmicos para tratar de estatística. Qualquer estudante secundarista sabe que o espaço amostral de 100 unidades perante um universo de todos os equipamentos produzidos pela indústria eletrônica é pobre.

2- Concordo, quando a experiência faz sentido. No contexto, por pura aplicação matemática, não faz.

3- Pelo que lembro, e novamente se minha memória não está me traindo, capacitores de alta capacitância são grandes e pesados. A proposta é enfiar um negócio desses em um notebook?

4- Nem vale comentar. Você não entendeu o que eu escrevi nessa parte do texto.

4a- Macs são PCs também. Só queria deixar isso explícito.

5- O comentário foi simples: um capacitor puro e simples não é suficiente para manter um circuito "em estado quente" porque simplesmente não é o tipo de aplicação para esse componente, goste você ou não.

5a- O comentário sobre a Energy Star em momento algum desmereceu o argumento, apenas coloquei outro ponto de vista. A previsão deles (e nem é deles para falar a verdade) é uma aproximação estatística baseada em um teste de laboratório simulando uma condição específica que não detalha nada, só afirma. Se formos seguir a linha do cientificamente correto, só vale para o tipo de equipamento experimentado e o que eles fizeram foi uma extrapolação. A instituição é super respeitada, a citação é que careceu de detalhamento. O que eu comentei foi só para colocar um pouco de luz sobre a questão levantada. E novamente você não entendeu o que foi escrito.

6- Qual foi o método usado para estimar uma vida útil de 109 anos ligando e desligando um PC uma vez por dia se o primeiro computador eletrônico produzido pela humanidade não tem isso de fabricado? Uma vez que não temos o estudo (só a citação dele) não dá para entender o que essa afirmação significa nem de onde ela saiu. Qual foi o equipamento usado? O computador fez alguma coisa enquanto esteve ligado ou não? Ele foi ligado e imediatamente desligado? Qual a temperatura ambiente do teste? Qual a humidade relativa do teste? Está vendo como faltam dados? Na falta dos dados, a única possibilidade de validar a afirmação é repetí-la para confirmá-la. O nome disso é verificação por pares. E olha que eu escrevi essa parte do texto mais como um alívio cômico do que uma argumentação e você levou muito à sério.

6a- Cuidado ao acreditar em tudo o que dizem. Até mesmo instituições grandes e sérias podem errar ou ser tendenciosas. Criticar e validar faz parte do negócio, até mesmo com alguns exageros só para mostrar que faltam dados para validar certas afirmações. Se você não gosta de coisas genéricas, não deveria se apegar à frase "Segundo a Energy Star, um PC moderno é projetado para aguentar um total de 40 mil ciclos de ligar e desligar antes de falhar. Isso equivale a 109 anos ligando e desligando sua máquina diariamente uma vez por dia." até porque:

6a1- pela forma como está escrito, a declaração não veio da Energy Star, sendo uma citação de um terceiro e atribuindo à primeira. Inclusive o correto é que a Energy Star usa uma citação de um documento publicado pela Rocky Mountain Institute (essa eu não conhecia) que afirma isso, sem detalhar nenhum teste, focado em economia de energia. A quem interessar, o PDF de onde essa citação saiu está aqui.

6a2- nada mais genérico do que "um pc moderno".

7- Você notou que eu usei a palavra "erroneamente" para deixar claro que a partir daquele momento eu estava cometendo um erro? Que tudo o que estava escrito a partir dali e até o fim do parágrafo só valia para mim porque era a minha experiência e só foi usado para mostrar que há experiências igualmente verdadeiras diferentes da sua, mas que não valem nada porque são um espaço amostral pobre perante o universo comparado? Interpretação de texto manda lembranças.

Adendo: você percebeu que eu pedi a sua opinião sobre a qualidade construtiva das fontes de alimentação que a meu ver melhoraram muito nos últimos 15 anos? Essa parte você ignorou. Esse é o comportamento esperado de um adolescente troll de internet, jamais esperaria vindo de você que parece ser um cara maduro com um bom tempo de estrada.

E se você não vê problema em confundir uma ISA com um sistema operacional (que você chama de linguagem), quem sou eu para discordar. Eu só queria colocar uma luz sobre a questão para compartilhar conhecimento (objetivo do fórum) e ainda me desculpei por fazer isso. Paciência.

Um bom dia pra você.

Primeiramente vem a introdução para abertura de um caminho para iniciar um ataque:

"Então, já que a cortesia foi embora"

Que deve significar para você algo do tipo: "Como pode um cara desses vim aqui contrapor minhas idéias sendo que só recebo elogios, sou apoiador do site, tenho 5 (cinco) bolinhas pretas, 205 likes 1.085 posts, e sou power user ?

Sobre seus comentários:

Li "En Passant" os equívocos que você escreveu, e continuo discordando deles tranquilamente, porém no final veio a escrita com o fígado:

"Esse é o comportamento esperado de um adolescente troll de internet, jamais esperaria vindo de você que parece ser um cara maduro com um bom tempo de estrada."

Quando uma conversa passa para um ataque "Ad hominem", essa conversa que era para ser só técnica, e passa a ser de caráter, aí é o fim para que nós preservemos nossos instintos primitivos.

Mesmo assim te perdôo !

Felicidades para você !

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

2 horas atrás, CarlosAguillera disse:

Oi, desculpa me intrometer, mas não posso deixar de falar isso.

Eu conheço essa citação - que supostamente é da Energy Star. Se você colocar "desligar o PC todo dia" no Google, é o primeiro resultado que aparece, num artigo do Techmundo. Aliás, essa citação é repetida a torto e a direito em vários outros sites menores de tecnologia que tratam desse assunto. 

Antes de mais nada, não estou concordando nem discordando de você, só estou complementando o que você disse deixando no ar questões comentadas por vários aqui e que não conseguiram responder.

Vamos lá: 100% do que as pessoas usam como exemplo, argumentos, dados, fatos, matérias, citações, estudos etc..., essas pessoas pegam no Google, e realmente parece hipocrisia certas pessoas demonizarem outras que fazem uso desse instrumento, falando pejorativamente como se "pegar" alguma coisa do Google fosse algo que não dê credibilidade alguma. O que certas pessoas "esquecem", para dar força no seu argumento é que o Google é simplesmente uma página de busca. Se algo encontrado no Google a pessoa que buscou acha que está errado, cabe a ela encontrar a fonte primária correta e disponibilizar o link da informação correta.

Na minha infância só tínhamos 2 (dois) meios de pesquisa, enciclopédias tipo "Barsa" e Bibliotecas, e ainda bem que hoje em dia qualquer assunto que necessitamos saber, possamos pesquisar no Google.

E sobre o Tecmundo eu confio na credibilidade do site. 

E outra questão mais importante:

Por que as pessoas que desconfiam de alguma notícia ou informação "pega" no Google, ao invés de descredibilizarem a fonte, o meio ou quem colocou, não buscam a fonte primária e provem o equívoco ao invés de simplesmente dizer ?

- "Isso está errado !"

- "Mas isso foi pego no Google !"

- "O Energy Star disse isso genericamente !"

- "O Energy Star, não tem credibilidade !"

- "Como pode o Energy Star, instituição de padrão internacional dizer que ligar e desligar um PC durante 109 anos pode não dar problema ? Que absurdo isso ? Eu é que estou certo !"

 

E por fim: Por que algo repetido a torto e a direita, simplesmente não pode estar certo ?

 

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

3 minutos atrás, Marcelo_P disse:

Por que algo repetido a torto e a direita, simplesmente não pode estar certo ?

Simples: porque muitas vezes, grande parte do que é repetido a torto e a direito não passa de senso comum. 

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe do debate

Você pode postar agora e se registrar depois. Se você tem uma conta, entre agora para postar com ela.

Visitante
Responder este tópico…

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Limpar editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

  • Quem Está Navegando   0 membros estão online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×
×
  • Criar Novo...